sábado, 4 de julho de 2020

Te Esqueci

Tu, que me assombras em pensamento 
Como espectro da imaginação 
Esqueço-te, quando lembro, 
De um dia ter-te em mim,
For-te tu, um dia, argúcia em sentimento, 
Contanto, agora, lembro-me que, 
em pensamento, já te esqueci.

Tu és vexame alucinatório, 
Lembro-me, quando, em outrora
Tu, em mim, for-tes quase tudo,
Mas, no quase tudo ficou, 
De alucinação com tempo cessa, 
O que não cessa, é  quando penso
 "Mas será que nunca deixo
De lembrar que te esqueci?"
        
J. Sousa

Facebook: Jefferson Sousa
Ig: j.sousa_misterio_

Você escreve poemas? Quer ter a oportunidade de publicar aqui? É só entrar em contato conosco pelo seguinte email: ambulantepoeta@gmail.com

Veja também os poemas dos leitores:
https://poetaambulantew.blogspot.com/p/poema-do.html?m=0

quinta-feira, 2 de julho de 2020

Canção da guerra

Raios, trovões e tempestades
Precursores das grandes verdades
Sinfonia que paraliza as cidades
Liberta aqueles atras das grades

Perdição do forte
Dos justos o norte
Dos eruditos alforge
Para os covardes, a morte

Soam as trombetas no céu
Liberte os cães de guerra
Rasgue deliberadamente o véu
Purifique a terra

Reuna seus guerreiros,
Seus melhores arqueiros,
Consagre cavaleiros.
A guerra está para começar

João Pedro B. Prado


Você escreve poemas? Quer ter a oportunidade de publicar aqui? É só entrar em contato conosco pelo seguinte email: ambulantepoeta@gmail.com

Veja também os poemas dos leitores:
https://poetaambulantew.blogspot.com/p/poema-do.html?m=0

sábado, 27 de junho de 2020

Solidão

Solidão / Keiliane DL - Poeta Ambulante
_ Keliane DL

Você escreve poemas? Quer ter a oportunidade de publicar aqui? É só entrar em contato conosco pelo seguinte email: ambulantepoeta@gmail.com

Veja também os poemas dos leitores:
https://poetaambulantew.blogspot.com/p/poema-do.html?m=0

quinta-feira, 25 de junho de 2020

Hilda Hilst

Hoje iremos falar da Hilda de Almeida Prado Hilst, ou melhor Hilda Hist, uma poeta brasileira. 

Hilda Hilst
Poema do fim

A morte surgiu
intocável e pura.
Depois, teu corpo se alongou
inteiro sobre as águas.
Dos teus dedos compridos
estouraram flores
e ficaram árvores
ao sol.

Escorreguei meus braços
no teu peito sem queixa
e cobri meu corpo
com teu corpo de espuma.

Ainda ontem
os homens colheram as rosas
que nasceram de nós.

Veja também um dos poemas do Judas Isgorogota:
https://poetaambulantew.blogspot.com/2020/06/judas-isgorogota.html?m=0

terça-feira, 23 de junho de 2020

Oi, cá estou a refletir
Se terei êxito proseando por aqui
Se minha prosa afasta teu demônio
E almejar sucesso na arte é errôneo

Ademais me pego a matutar
Se a poesia que em mim veio habitar
E fez-se em meu âmago lírico girassol
Pelejando viver dela, serei pipa no cerol.

Witor

Você escreve poemas? Quer ter a oportunidade de publicar aqui? É só entrar em contato conosco pelo seguinte email: ambulantepoeta@gmail.com

Veja também os poemas dos leitores:
https://poetaambulantew.blogspot.com/p/poema-do.html?m=0

link da postagem:
https://t.co/HuEb838Ybf